sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Pangéia...

Designa-se por Pangéia o continente que, segundo a teoria da deriva continental, existiu até há 200 milhões de anos, durante a era Mesozóica, porém, há relatos também de 540 milhões de anos. A palavra origina-se do fato de todos os continentes estarem juntos (pan do grego, pâs, pâsa, pân, todo, inteiro) e exprime a noção de totalidade, universalidade, formando um único bloco de terra (gea) ou Géia ou Ge como a Deusa que personificava a terra com todos os seus elementos de
Milhões de anos se passaram até que a Pangeia se fragmentou, dando origem a dois mega-continentes. Separação esta que ocorreu lentamente e se desenvolveu deslocando sobre um subsolo oceânico de basalto.
A parte correspondente à América do Sul, África, Austrália e Índia, denomina-se Gondwana (região da Índia). O resto do continente, onde estava a América do Norte, Europa, Ásia e o Ártico se denomina Laurásia.
A Pangeia era cercada por um único oceano Pantalassa. Foi inicialmente sugerida a hipótese no início do século XX pelo meteorologista alemão Alfred Wegener, criando uma grande polêmica entre a classe científica da época. Wegener teve como ponto de partida de sua teoria os contornos semelhantes da costa da América com a da África, os quais formariam um encaixe quase perfeito. Entretanto, não foi utilizado este fato na sua fundamentação científica, mas a comparação dos fósseis encontrados nas regiões brasileira e africana. Como estes animais não seriam capazes de atravessar o oceano na época, então concluiu-se que eles teriam vivido em mesmos ambientes em tempos remotos.
Esta teoria não foi aceita, sendo até ridicularizada pela classe científica. Foi confirmada somente em 1940, após 15 anos da morte de Wegener.

sábado, 11 de setembro de 2010

Blocos econômicos...


    São associações de países que estabelecem relações econômicas privilegiadas entre si. O primeiro bloco surge na Europa em 1957, com a criação da Comunidade Econômica Européia (CEE), atual União Européia (UE). Mas a tendência de regionalização da economia só se fortalece nos anos 90, com o fim da Guerra Fria. Na América se destacam o Nafta, o Mercosul e, em menor grau, o Pacto Andino e o Caricom; na Europa, a UE e a Comunidade dos Estados Independentes (CEI); na África há o SADC; na Ásia, o Asean. Também está em fase de implantação o bloco transcontinental Apec, que reúne países da América e da Ásia, e continuam as negociações para a formação de um bloco abrangendo toda a América, o Alca.
 

Tipos de blocos

    Os blocos econômicos classificam-se em; Zona de livre comércio, união aduaneira, mercado comum e união econômica e monetária.


Característica de Cada Tipo de Bloco

    Na zona de livre comércio, há redução ou a eliminação das taxas alfandegárias que incidem sobre a troca de mercadorias dentro do bloco. A união aduaneira, além de abrir mercados inteiros, regulamenta o comércio dos países-membros com nações externas ao bloco. Já o mercado comum garante a livre circulação de pessoas, serviços e capitais.


Principais Blocos Econômicos


UE - União Européia: Tem sua origem em 1957 na antiga CEE - Comunidade Econômica Européia. Em 1991 é aprovado em Maastricht (Holanda) o Tratado da União Européia, em 1992 consolida-se o Mercado Comum Europeu, com a eliminação de barreiras alfandegárias entre os países membros. O tratado da União Européia, já composto de dois outros, o da União Política e o da União Monetária e Econômica, que estabelece a criação de uma moeda única, entra em vigor em 1993, com a participação de 15 países, tornando-se o segundo maior bloco econômico do planeta, com uma população de 374 milhões de habitantes e um PIB de 8 trilhões de dólares. Em janeiro de 2007 com a entrada da Romênia e Bulgária a UE passa a ter 27 integrantes. Com essa nova configuração a União Européia passa a contar com uma população de quase 500 milhões de pessoas, 20 línguas oficiais, o PIB (Produto Interno Bruto) em 2004 de aproximadamente 12,6 trilhões de dólares, superior ao PIB americano (11,5 trilhões de dólares), tornando-se o maior bloco econômico do planeta.

NAFTA - North American Free Trade Agreement: O Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) é um instrumento de integração das economias dos EUA, do Canadá e do México, Iniciado em 1988 por norte-americanos e canadenses, o bloco recebe a adesão dos mexicanos em 1993. Com ele, consolida-se o intenso comércio regional da América do Norte. O Nafta entra em vigor em janeiro de 1994, com um prazo de 15 anos para a total eliminação das barreiras alfandegárias entre os três países membros, Canadá, EUA e México.
 
MERCOSUL - Mercado Comum do Sul: Criado em 1991. Em 1995, instala-se uma zona de livre comércio, situação em que cerca de 90% das mercadorias fabricadas nos países membros podem ser comercializadas internamente sem tarifas de importação. O Mercosul cuja estrutura física e administrativa esta sediada em Montevidéu, tem um mercado potencial de 220 milhões de consumidores e um PIB de 1,1 trilhão de dólares. Deve-se considerar também que, no decorrer do século 21, a água será um elemento estratégico essencial, e neste caso é importante destacar que dentro do Mercosul estão as duas maiores bacias hidrográficas do planeta: a do Prata e a da Amazônia. O Mercosul tem como atuais membros Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, Venezuela.
 
ALCA: A Área de Livre Comércio das Américas (Alca) surge em 1994 com o objetivo de eliminar as barreiras alfandegárias entre os 34 países americanos, exceto Cuba. As negociações para consolidação da Alca estão congeladas, pois, entre os seus objetivos não revelados, um era minimizar a influência do Brasil no Mercosul, essa influência não aconteceu.

APEC: A Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico (Apec) é um bloco econômico formado para promover a abertura de mercado entre 20 países e Hong Kong (China), que respondem por cerca de metade do PIB e 40% do comércio mundial. Oficializada em 1993, pretende estabelecer a livre troca de mercadorias entre todos os países do grupo até 2020. Membros - Austrália, Brunei, Canadá, Indonésia, Japão, Malásia, Nova Zelândia, Filipinas Cingapura, Coréia do Sul, Tailândia, EUA (1989); China, Hong Kong (China), Taiwan (Formosa) (1991); México, Papua Nova Guiné (1993); Chile (1994); Peru, Federação Russa, Vietnã (1998). 

ASEAN: A Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean) surge em 1967, na Tailândia, com o objetivo de assegurar a estabilidade política e de acelerar o processo de desenvolvimento da região. Hoje, o bloco representa um mercado de 510 milhões de pessoas e um PIB de 725,3 bilhões de dólares. A eliminação das barreiras econômicas e alfandegárias entrará em vigor no ano 2002. Em 1999, a Asean admite como membro o Camboja. Membros - Indonésia, Malásia, Filipinas, Cingapura, Tailândia(1967), Brunei (1984), Vietnã (1995), Mianmar, Laos (1997), Camboja (1999).Atualmente o Bloco exporta 70% do seu PIB e tem peso no comércio de bens industriais. Em 2007 o Brasil exportou US$ 4,35 bilhões para a Asean e importou US$ 4,83 bilhões. 

CARICOM: O Mercado Comum e Comunidade do Caribe (Caricom), criado em 1973, é um bloco de cooperação econômica e política formado por 14 países e quatro territórios. Em 1998, Cuba foi admitida como observadora. O bloco marca para 1999 o início do livre comércio entre seus integrantes.
Membros - Barbados, Guiana, Jamaica, Trinidad e Tobago (1973); Antígua e barbuda, Belize, Dominica, Granada, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, São Cristóvão e Névis (1974); Suriname (1995); Bahamas torna-se membro em 1983, mas não participa do mercado comum. O Haiti é admitido em julho de 1997, porém suas condições de acesso ainda não foram concluídas. Territórios: Montserrat (1974); ilhas Virgens Britânicas, Ilhas Turks e Caicos (1991); Anguilla (1999). 

CEI: A Comunidade dos estados Independentes (CEI) é uma organização criada em 1991 que reúne 12 das 15 repúblicas que formavam a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Ficam de fora apenas três países bálticos: Estônia, Letônia e Lituânia. Organiza-se em uma confederação de Estados, que preserva a soberania de cada um. A comunidade prevê a centralização das Forças Armadas e o uso de uma moeda comum: o rublo. Membros - Armênia, Belarus, Cazaquistão, Federação Russa, Moldávia, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão, Ucrânia, Uzbequistão (1991); Georgia, Azerbaijão (1993).

CAFTA-DR - Central American Free Trade Agreement- Dominican Republic: O Congresso norte-americano aprovou o Cafta-DR (Acordo de Livre Comércio da América Central e República Dominicana) por 217 a 215 votos, na madrugada desta quinta-feira (28/07/2005).
O projeto vem sendo tratado como alternativa dos países desenvolvidos à Alca (Área de Livre Comércio das Américas), cujas negociações estão emperradas.
Apesar de o Brasil não participar diretamente do acordo, a aprovação do tratado pode beneficiar o país, pois o açúcar brasileiro ganharia competitividade com a eventual eliminação de cotas de importação ao produto nos EUA. O Cafta envolve, além dos EUA, Costa Rica, El Salvador, Nicarágua, Honduras, Guatemala e República Dominicana. (Folha de São Paulo - 28/07/2005).

PACTO ANDINO: Bloco econômico instituído em 1969 pelo Acordo de Cartagena - seu nome oficial - com o objetivo de aumentar a integração comercial, política e econômica entre seus países-membros. Também é conhecido como Grupo ou Comunidade Andina. Membros: Bolívia, Colômbia, Equador e Peru (1969); Venezuela (1973). O Chile sai em 1976. O Panamá participa como observador. 

SADC: A Comunidade da África Meridional para o Desenvolvimento (SADC) é estabelecida em 1992 para incentivar as relações comerciais entre seus 14 países-membros, com o objetivo de criar um mercado comum e também promover esforços para estabelecer a paz e a segurança na conturbada região.Há planos de adotar uma moeda comum em 2000. Membros: Angola, África do Sul, Botsuana, Lesoto, Malauí, Maurício, Moçambique, Namíbia, República Democrática do Congo, Seicheles, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue.


IDH

O IDH é um índice criado pelo PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e calculado para diversos países desde 1990. Originalmente proposto para medir a diferença entre países, foi adaptado para ser aplicado também a Estados e municípios.
 

O Índice (De 0 até 1)
O índice vai de 0 a 1 - quanto mais perto do 1, maior é o desenvolvimento humano ou seja, melhor é a qualidade de vida . Em nível mundial, a Noruega e Islândia (Europa) têm IDH de 0,968 numa posição intermediária o Brasil com IDH de 0,800 e no final da tabela, Serra Leoa na África com IDH de 0,336. O IDH tem como objetivo expressar a qualidade de vida nos países e locais em que é calculado.
 
O cálculo
É feito pela média simples de três componentes: IDH Longevidade: indicador de longevidade, medida pela esperança de vida ao nascer.
IDH Educação: indicador de nível educacional, medido pela combinação da taxa de alfabetização de pessoas de 15 anos ou mais (com peso 2) e da taxa bruta de matrículas nos três níveis de ensino (fundamental, médio e superior) em relação à população de 7 a 22 anos de idade (com peso 1). Para regiões, Estados e municípios do Brasil, usa-se a taxa de freqüência.
IDH Renda: indicador de renda, medido pelo PIB real per capita em dólares, segundo o critério de Paridade do Poder de Compra. Para regiões, Estados e municípios do Brasil, usa-se a renda familiar per capita.
 
Metodologia
Para analisar a variação dos níveis de desenvolvimento humano nos Estados brasileiros e no país como um todo, o relatório calculou os dados do IDH de 1991 a 2005. O resultado, porém, é fruto de uma metodologia diferente da usada pelo PNUD nos Relatórios de Desenvolvimento Humano e no Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. O cálculo é feito com base na PNAD
(Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), um levantamento socioeconômico feito anualmente pelo IBGE.
 
Do Norte para o Sul
Os números mostram uma clara divisão do IDH. Estados do Norte e nordeste (piores IDH), estados do Sul, sudeste e centro-oeste (melhores IDH). Brasília no Centro-oeste ocupa a primeira colocação com um IDH de 0,874, superior ao de países como a Argentina e Emirados Árabes Unidos.
 
Explicação Geográfica
Essa condição, mostrando um país em que o IDH é menor nas regiões norte/nordeste e aumenta na direção sudeste/centro-Oeste/sul tem explicação na geografia econômica do Brasil, onde a produção, atividade econômica e renda ainda estão muito mais concentrada nestas regiões.
 
Maiores IDH's
Brasília no Centro-oeste ocupa a primeira colocação com um IDH de 0,874, O segundo lugar no IDH é de Santa Catarina (o Estado que mais melhorou no ranking de 1991 até 2005, ganhando três posições), com 0,840. Em seguida vem São Paulo (que registrou o segundo menor crescimento desde 1991), com 0,833.
 
Menores IDH's
Alagoas, que tinha o pior IDH em 1991, continuou na mesma posição em 2005, com 0,677. Da mesma forma, Maranhão, Piauí e Paraíba não deixaram de ser o segundo, terceiro e quarto piores, respectivamente.
 
Lenta Melhora
Entre 1991 e 2005, o IDH de todas as unidades da Federação melhorou. A região Nordeste, que registra os piores números desde a década passada, foi a que teve também o maior crescimento do índice: 16,3%. Depois vêm Sudeste e Centro-Oeste, ambos com 10,9%. O Sul, que mantém os seus três Estados entre os seis primeiros IDHs também desde a década passada, foi o que menos evoluiu no indicador: 8,5%. Dos dez Estados com maior variação no índice, nove são nordestinos. Os de melhoria mais forte foram Paraíba, Piauí e Bahia.
 
Educação - Fator de Evolução do IDH
O vetor da melhoria recente está, segundo o relatório, na educação. Das três dimensões do IDH (renda, educação e longevidade), o destaque foi a elevação da instrução. Em todas as unidades da Federação o índice de educação foi o que mais cresceu entre 1991 e 2005. A evolução do IDH-Educação - e, de modo menos pronunciado, do IDH-Longevidade - contribuiu para que diminuísse consideravelmente a diferença (...) entre os níveis de desenvolvimento das regiões brasileiras.
 
Deslocamento do Eixo Produtivo
Mesmo que de forma lenta, mas há uma certa desconcentração geográfica do processo produtivo em curso. Setores como o calçadista, de automóvel, estão se expandindo tanto da região metropolitana para o interior quanto do Sul/Sudeste para o Nordeste. Isso leva a aumento de renda per capita, de exigência por mão-de-obra qualificada (o que influi na educação) e, conseqüentemente, a maior atendimento público de saúde - o que influi na longevidade.


População brasileira por regiões...


    A distribuição populacional pelas regiões brasileiras é bastante desigual, segundo dados do censo divulgado pelo IBGE, em 2000.

   O Sudeste é a região mais populosa do país, em função do seu alto grau de desenvolvimento econômico-industrial, que, desde a década de 30, transformou-se num pólo de atração populacional.

Minas gerais: 17.891.494
Espírito Santo: 3.097.232
Rio de Janeiro: 14.391.282
São Paulo: 37.032.403
População Total: 72.412.411


    Segunda região em população absoluta, o Nordeste se caracteriza por uma forte taxa de natalidade, que supera a taxa de mortalidade e a grande emigração. O forte povoamento regional deve-se, também, a fatores históricos, uma vez que foi em sua faixa litorânea que tiveram inicio o povoamento do Brasil e seu aproveitamento econômico.

Maranhão: 5.651.475
Piauí: 2.843.278
Ceara: 7.430.661
Rio grande do norte: 2.776.782
Paraíba: 3.443.825
Pernambuco: 7.918.344
Alagoas: 2.822.621
Sergipe: 1.784.475
Bahia: 13.070.250
População Total: 47.741.711


    O Sul é a terceira região brasileira em população absoluta. Seu povoamento deu-se, sobretudo, a maciça entrada dos imigrantes europeus, no final do século passado, que escolheram a região por sua maior semelhança climática com a Europa. Existe também o fato de esta ser, hoje, a segunda região brasileira em produção econômica, atraindo grande numero de imigrantes internos.

Paraná: 9.563.458
Santa Catarina: 5.356.360
Rio grande do sul: 10.187.798
População total: 25.107.616


   A região Norte é pouco populosa em função de dois aspectos muito fortes: sua paisagem natural – onde se destacam uma floresta muito densa e um clima muito úmido, e sua economia, que sempre esteve ligada ao extrativismo. Mais recentemente, com a implantação de projetos hidrelétricos, minerais e industriais, sua população cresceu rapidamente, passando do quinto para o quarto lugar.

Rondônia: 1.379.787
Acre: 557.526
Amazonas: 2.812.557
Roraima: 324.397
Pará: 6.192.307
Amapá: 477.032
Tocantins: 1.157.098
População Total: 12.900.704


    O centro-oeste é a região menos populosa do país, tendo em vista sua atividade básica – a pecuária extensiva – não exigir muita mão-de-obra. Além disso, houve a introdução da lavoura comercial intensamente mecanizada, que também não gera muito emprego, não atraindo migrantes para a região e não oferecendo grandes perspectivas para quem nasce lá e que, por isso, acaba emigrando.

Mato grosso do sul: 2.078.001
Mato grosso: 2.504.353
Goiás: 5.003.228
Distrito federal: 2.051.146
População total: 11.636.728


Paisagem...

“Tudo aquilo que nós vemos, o que nossa visão alcança, é a paisagem [...]. Não apenas formada de volumes, mas também de cores, movimentos, odores, sons etc.”
                                                                                                      
                                                                                                                     Milton Santos

    Normalmente as pessoas chamam de paisagem aquilo que consideram bonito ou agradável, como, por exemplo, uma cachoeira em meio à mata ou uma bela praia.
    Para a geografia, paisagem não é apenas um belo panorama natural. Ela é o conjunto dos elementos naturais e dos elementos humanizados ou culturais (construídos pelos seres humanos) que podemos observar em um lugar.
    As formas de relevo (como as montanhas, as serras, os planaltos e as planícies), a hidrografia (composta pelos rios, lagos, oceanos e mares) e a vegetação (como as matas e os campos) são exemplos de elementos naturais.
    As casas, os prédios, as pontes, as rodovias e as plantações são exemplos de elementos humanizados ou culturais que compõem a paisagem. Os próprios seres humanos são elementos importantes da paisagem.
    Em algumas paisagens, podemos observar que existem apenas elementos naturais ou poucos elementos culturais. Essas são as paisagens naturais, onde a presença humana é pequena ou inexistente. Em outras, é possível identificar o predomínio de elementos humanos. Essas são as paisagens geográfica, humanizada ou cultural, resultantes da transformação da natureza pelo trabalho humano.
    Os fenômenos naturais também modificam a paisagem. As paisagens naturais foram muito alteradas desde a sua formação. A ação das águas, dos ventos, dos terremotos, e as erupções vulcânicas são exemplos de fenômenos que podem transformar  as paisagens. Essas continuam sendo naturais, pois, não houve interferência humana.   


Exercícios

1)      Leia a reflexão abaixo e faça uma contextualização. (mínimo 20 linhas e máximo 30)


A ação humana altera o ambiente

“O homem, ao se estabelecer em uma área para construir sua moradia, realizar suas atividades produtivas e até mesmo de lazer, inevitavelmente altera o ambiente. A visão do homem como vilão da história, como destruidor da natureza e predador dos recursos naturais é repudiada na atualidade. O homem é parte do sistema, sendo um dos seus componentes, agindo e interagindo com os demais. Contudo espera-se que as alterações feitas no ambiente sejam realizadas de forma consciente e que se busque conhecer mais e melhor as implicações e os desdobramentos derivados da intervenção antrópica.”
                                                                                                                                    Rosangela Botelho
* Antrópico: Relativo à ação dos seres humanos.

2)      O que é paisagem, para Milton Santos?

3)      O que são elementos culturais numa paisagem?

4)      Quais elementos naturais podemos observar numa paisagem natural?

5)      Complete a frase com a palavra formada pelas letras a, a, e, n, r, t, u, z:
Os elementos naturais da paisagem são aqueles que foram criados pela __________ .

6)      Complete a frase com a palavra formada pelas letras e, h, m, n, o:
Os elementos culturais de uma paisagem são aqueles que foram criados pelo _________.

7)      Complete as lacunas com as seguintes palavras:

        ambiente   -  aproveitar-se   – destruir   – natureza

O homem age sobre a __________, modificando muito o ___________ físico. Mas ele deve __________ das riquezas da terra sem _________ a natureza.

8)      O que é  paisagem natural?

9)     O que é paisagem cultural, humanizada ou geográfica?

10)  Quais os principais tipos de transformações que os seres humanos vem provocando atualmente nas paisagens naturais?

11)  Por que podemos afirmar que o homem consegue se adaptar as diferentes paisagens da terra?

12)  Quais são os fatores que podem influir nas formas de ocupação  de uma paisagem na terra?

13)  Que elementos você pode observar na paisagem onde se encontra sua escola?

14)  Podemos dizer que hoje ainda existem paisagens naturais puras, isto é, intocadas pela ação humana? Por quê?

15)  Recorte ou desenhe uma paisagem natural e uma cultural (humanizada ou geográfica).

Sistema solar...

   O sistema solar é formado por um conjunto de astros que giram em torno do Sol. Ele é formado pelos seguintes astros:
- Sol, que é o centro do sistema solar;
- Oito planetas;
- Milhares de planetóides;
- Numerosos cometas. Exemplo: Halley

    O Sol é um milhão de vezes maior que a Terra. Em média 150 milhões de quilômetros, sendo assim a estrela mais próxima da Terra.
    É a principal fonte de energia para a Terra e é responsável pela origem e manutenção da vida em nosso planeta. Do exterior para o interior, apresenta as seguintes camadas: coroa (parte mais externa), cromosfera (esfera de calor), fotosfera ( espera de luz) e núcleo.
    Planeta é um corpo celeste em órbita do Sol, com massa suficiente para assumir uma forma quase redonda, e que tenha eliminado outros corpos da vizinhança ao redor da sua órbita.
    O sistema solar tem agora 8 e não mais 9 planetas. Plutão nos últimos 76 anos foi considerado um astro da mesma categoria de Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno (em ordem de afastamento do Sol), foi rebaixado. Por decisão da União Astronômica Internacional, ele passa a ser um planeta-anão, como Ceres e Xena. Observe agora algumas características dos planetas que compõem o sistema solar.

Mercúrio: O mais próximo do Sol; o menor planeta; superfície com crateras.
Vênus: Tem aproximadamente o tamanho da Terra; coberto por nuvens; o mais quente dos planetas.
Terra: Único planeta onde comprovadamente existe vida.
Marte: Superfície avermelhada; calotas polares geladas; vulcões gigantes e freqüentes tempestades.
Júpiter: O maior planeta; fino sistema de anéis; planeta gigante gasoso; tem o dia mais curto, bastante achatado e possui a atmosfera turbulenta.
Saturno: Sistema de anéis largo e brilhante; atmosfera turbulenta; bastante achatado e densidade bem menor que a água.
Urano: Fino sistema de anéis; possui a maior inclinação do eixo; poucas marcas visíveis e planeta gigante gasoso.
Netuno: Metano na atmosfera; sistema de anéis e planeta mais azul.

Mares e Oceanos...

Os Mares

     Os mares são as massas de água salgada que se localizam próximo aos continentes ou no interior destes. Eles se comunicam com os oceanos ou com outros mares por meio de passagens.
    Os mares apresentam menor profundidade que os oceanos, maior variedade de salinidade (quantidade de sal), de temperatura e de transparência das águas.
    Eles se classificam em mar aberto, mas interior e mar fechado.


Tipos de Mar

   O mar fechado, também chamado de mar isolado, é aquele que não possui nenhuma comunicação com um oceano ou outro mar. O Mar Morto é um exemplo de mar fechado.

   O mar aberto, também chamado de mar costeiro, é aquele que se comunica com o oceano por largas passagens. O Mar do Norte e o Mar da China são exemplos de mares abertos.

   O mar interior, também chamado de mar continental, comunica-se com o oceano por estreitos ou canais. O Mar Mediterrâneo, que se comunica com o Oceano Atlântico pelo estreito de Gibraltar, é um exemplo de mar interior.


Os Oceanos

    Oceano é uma grande massa de água salgada que cobre a maior parte da superfície terrestre, circundando e separando os continentes.
    Essa grande massa de água salgada contém importantes fontes de recursos para os seres humanos. Para atender aos interesses e ás necessidades humanas, ela foi dividida em cinco partes, que são os cincos oceanos: o Pacífico, o Atlântico, o Índico, o Glacial Ártico e o Glacial Antártico.

  • O Oceano Pacífico, localizado entre a Ásia, a América e a Oceania, é o mais extenso e o mais profundo dos oceanos. Sua maior profundidade, de 11.500 metros, ocorre nas proximidades das ilhas da micronésia, em um lugar chamado fossa das marinas.

  • O Oceano Atlântico é divido em atlântico Norte e Atlântico Sul. Ele se localiza entre a América, a Europa e a África. O Atlântico é considerado as mãos importantes dos oceanos para a economia mundial, devido ao grande fluxo de navegações, principalmente entre a América e a Europa.

  • O Oceano Índico tem sua maior parte localizada no Hemisfério Sul, entre A Ásia, a África e a Oceania. Nele se desenvolve uma intensa vida marinha, devido á temperatura mais aquecida das suas águas.

  • O Oceano Glacial Ártico banha o norte da Europa, da Ásia e da América. Suas águas apresentam baixa temperatura, permanecendo congeladas durante grande parte do ano. Uma característica marcante desse oceano é a presença de gigantescos blocos de gelo flutuantes, os icebergs, que dificultam a navegação.

  • O Oceano Glacial Antártico é formado pelo encontro das águas dos oceanos Pacífico, Atlântico e Indico. Por estar próximo ao Pólo Sul, onde as temperaturas são muito baixas, suas águas permanecem congeladas durante grande parte do ano.

Os continentes...

    Para alguns cientistas, o planeta Terra é composto de quatro grandes blocos continentais: o maior deles é o continente Tríplice, formado por África, Europa e Ásia (pois considera-se que formam uma única massa de terras) , a América, a Oceania e a Antártida.Esse é o resultado da fragmentação da Pangéia, promovida pelo movimento das placas tectônicas há milhões de anos.
    Essa divisão física das porções de terras emersas leva em consideração apenas a estrutura das massas de terra, portanto, não considera as diferentes culturas, as línguas e os costumes encontrados em cada parte dos continentes.
    Agora, quando consideramos os critérios políticos, econômicos históricos e culturais, estamos utilizando a divisão política, isto é, a divisão das terras emersas, criadas pelos seres humanos.
    Pelo critério político, a Terra está dividida em seis continentes: América, Europa, África, Ásia, Oceania e Antártida.
    Resumindo: os blocos continentais resultam da divisão física das terras emersas, imposta ou determinada pela natureza. Já os continentes são frutos da divisão política criada pelos seres humanos.
    Para a organização dos nossos estudos e, também, por ser mais comum a utilização dos continentes, trabalharemos com a divisão política.
    Vamos ver alguns dados dos seis continentes. Observe a tabela:


Os continentes em número

Continentes
Área (km)
Número de países
População
Ásia
43.608.000
44
3.666.642.000
América
42.960.000
35
832.894.000
África
30.335.000
53
793.923.000
Antártica
13.340.000
-
-
Europa
10.498.000
48
744.717.000
Oceania
8.923.000
7
30.925.000

     Analisando a distribuição das terras emersas por continente, a Ásia possui 29,13% ocupando o primeiro lugar, enquanto a América possui 28,70%, a África 20,26%, a Antártida 8,90%, a Europa 7,11%, e a Oceania 5,90%.


América

    A América é o continente mais extenso no sentido norte-sul, com aproximadamente 17.000 quilômetros, desde o extremo norte do Canadá e da Groenlândia até o extremo sul do Chile e da Argentina. É também o segundo maior continente do planeta em área territorial.
    Os paises do continente americano são marcados por grandes diferenças econômicas e sociais.
    Os Estados Unidos e o Canadá apresentam grande industrialização e agricultura altamente mecanizada e produtiva. Ambos oferecem ótima qualidade de vida para grande parcela da população.
    Os demais países da América não são semelhantes no que se refere á economia e á qualidade de vida da população. O Brasil, o México, a Argentina e o Chile possuem grande parque industrial e produção agropecuária diversificada. Mas há países, como o Haiti, o Equador, a Bolívia e a Guatemala, onde a agricultura e a extração de minérios são ainda as principais atividades econômicas e a pobreza é mais marcante.
    Cabe ressaltar que os países da América, com exceção do Canadá e dos Estados Unidos, apresentam graves problemas sociais e econômicos.


África

    O continente africano é o que possui o maior número de países. Alguns deles, como a Etiópia, a Somália e Serra Leoa, detêm os maiores índices de miséria do mundo, com problemas de fome e doenças atingindo a maior parte da população.
     Estima-se que milhões de africanos vivam com menos de 1 dólar por dia. Apesar disso, existem regiões prósperas na África, que é rica em recursos naturais, como minério de ferro, diamante, ouro, petróleo e gás natural. A industrialização é restrita a poucos países, como a África do Sul e o Egito.
    A África apresenta grande variedade de paisagens naturais, como: a Floresta do Congo, que se assemelha á Floresta Amazônica; as Savanas, onde há uma fauna mais exuberantes do mundo; e o Saara,o maior deserto do planeta.
    Nas Savanas habitam grandes mamíferos, entre eles o leão, o elefante, o rinoceronte, a zebra e o hipopótamo. Muitos desses animais chegam perto da extinção, devido a caça descontrolada praticada por muitos anos. Hoje a caça não é mais permitida, sendo possível apenas filmar e fotografar os animais.


Antártida

     A Antártida está localizada na região mais fria do mundo: o extremo sul do planeta. Sobre esse continente encontra-se uma enorme camada de gelo, com espessura média de dois quilômetros, que concentra o equivalente a 70% de toda a água doce do mundo.
     As baixas temperaturas, inferiores a 0ºC no verão e a 80ºC negativos no inverno, tornam as condições de vida humana praticamente impossível nesse continente.
     Devido aos rigores do clima, a Antártida não é habitada por seres humanos. Lá existem apenas estações de pesquisa de vários paises, ocupadas por cientistas durante curto espaço de tempo, o suficiente apenas para realizar seus estudos.
Pelos tratados Antártico, um acordo firmado entre diversos paises, nenhum recurso natural poderá ser explorado no continente gelado até 2050. Somente a pesca é permitida.


Ásia

    O continente asiático tem maior área territorial do mundo e concentra 60% de toda a população humana da terra. Os dois paises mais populosos, China e Índia, encontram-se na Ásia.
     A economia da Ásia é muito diversificada. Alguns países apresentam grande desenvolvimento industrial, como Japão e a Coréia do Sul, mas a maioria dos paises é pobre, sofrendo de graves problemas sociais, como o Paquistão, a Índia e Bangladesh.
    É no continente asiático que se localiza o Oriente Médio, uma região onde se concentra cerca de 50% das reservas de petróleo do mundo. Essa região apresenta grande diversidade étnica, cultural e religiosa. Somando a isso o problema da carência de água, temos os ingredientes que tornam o Oriente Médio um foco de tensões e conflitos.
    O sul e o sudeste da Ásia são áreas muito instáveis do ponto de vista geológico, submetidas á influência de vulcões e terremotos que provocam grandes tragédias. Exemplos recentes disso foram o tsunami de dezembro de 2004 e o terremoto de outubro de 2005, no Paquistão, que geraram muitas mortes e destruição.


Europa
  
      A Europa é um continente pequeno, dividido em diversos paises, sendo alguns muito pequenos, como o Vaticano, Mônaco, Andorra e San Marino.
    Esse continente tem grande importância na historia mundial, pois foram os europeus que colonizaram a maioria dos paises da América, da África e de parte da Ásia a partir das grandes viagens marítimas iniciadas no século XV.
    As grandes viagens oceânicas e a conquista de terras na América, na Ásia e na África tiveram como resultado a expansão dos valores, das línguas e do modo de vida dos europeus pelas terras que eles ocuparam. É isso que explica, por exemplo, por que o português é a língua mais falada no mundo e o catolicismo é a religião que tem o maior número de adeptos no nosso pais.
    A maioria dos paises da Europa, com destaque para o Reino Unido, a Alemanha, a França, a Espanha e a Itália, apresentam grande desenvolvimento econômico e boa qualidade de vida para a maior parte da população. Porém, no continente, também se verificam problemas, como conflitos entre povos de diferentes culturas, religiões e etnias, alem de pessoas vivendo na pobreza e elevados índices de desemprego.
    A Europa possui um bloco econômico denominado União Européia do qual participam 25 de seus paises. Nesse bloco, as barreiras de comércio e de circulação de pessoas entre paises foram abolidas. Alguns desses paises já adotaram uma moeda única, o euro. Assim, as pessoas podem circular livremente, por exemplo, entre Portugal e Espanha, usando a mesma moeda.


Oceania

     A Oceania é formada por uma massa continental (Austrália), ilhas maiores (Nova Zelândia e Papua Nova Guiné) e inúmeras pequenas ilhas.
    Dois paises desse continente têm padrão de vida elevado: a Austrália e a Nova Zelândia. Os demais paises são considerados pobres e apresentam economia baseada na agricultura, na pesca e no turismo.


Orientação e Localização no espaço geográfico...


Orientar-se significa mover-se no espaço com a certeza de chegar a um local desejado.

Orientação pelo Sol

     Observando o Sol, o ser humano percebeu que esse astro surge, ao amanhecer, e desaparece, ao anoitecer, nas mesmas direções todos os dias. Com base nessa observação, foi determinado um conjunto de pontos de orientação, que são chamados de pontos cardeais: leste, oeste, norte e sul.
      A direção ao Sol nascer ficou determinada como leste (L) ou este (E) ou oriente (que significa nascente). O lado oposto, em que o Sol desaparece, ficou determinado como oeste (O) ou ocidente (que significa poente). Determinados os pontos leste e oeste, foram estabelecidos mais dois: o norte (N), ou setentrional ou boreal, e o sul (S), ou meridional ou astral.
    Com base nos pontos cardeais foram determinadas outras direções intermediárias, conhecidas como pontos colaterais.

  • Entre o norte e o leste, está o nordeste (NE).              
  • Entre o norte e o oeste, está o noroeste (NO).
  • Entre o sul e o leste, está o sudeste (SE).
  • Entre o sul e o oeste, está o sudoeste (SO).

     Existem ainda os subcolaterais, localizados entre os cardeais e os colaterais: norte-nordeste (N-NE),   norte-noroeste (N-NO), sul-sudeste (S-SE), sul-sudoeste (S-SO), leste-nordeste (L-NE), leste-sudeste (L-SE), oeste-noroeste (O-NO), e oeste-sudoeste (O-SO).
     Os pontos de orientação – cardeais, colaterais, subcolaterais e intermediários são costumeiramente representados por uma rosa-dos-ventos.


Orientação pela Lua

    Podemos utilizar a Lua, como orientação, que também nasce na direção leste e se põe na direção oeste. Assim, o procedimento para determinar os pontos de orientação utilizando a Lua como referencia são os mesmos adotados para o Sol.


Orientação pela bússola

    A bússola é um instrumento de orientação, que foi muito importante nas grandes navegações, criada pelos chineses no século X. Ela possui uma agulha imantada, que gira sobre um eixo, e um mostrador, onde está desenhada a rosa-dos-ventos.
    A agulha imantada aponta sempre para o pólo magnético do Norte, que atua como um grande imã. Esse pólo magnético não coincide com o Pólo Norte geográfico. Entre eles há uma diferença de cerca de 1.400 quilômetros.


Os modernos instrumentos de orientação

    O GPS permite localizar precisamente um determinado objeto em qualquer lugar da superfície da Terra. Esse aparelho é conectado a 26 satélites orbitando a Terra a cerca de 20.000 quilômetros de altitude. O GPS é a sigla do termo inglês Global Positioning System – Sistema de Posicionamento Global.  Esse aparelho é muito utilizado nas navegações marítimas e aéreas, nas forças amadas, no monitoramento de caminhões e carros, em expedições ou em lugares sem ponto de referencia, como a Floresta Amazônica e a Antártida. Também temos sofisticados instrumentos de orientação como radares, rádios etc...


Os paralelos e os meridianos

    Para nos localizarmos lugares ou objetos com precisão na superfície terrestre, utilizamos as coordenadas geográficas, que resultam de um conjunto de linhas imaginárias que são traçadas sobre os mapas e globos que representam a superfície da Terra. Essas linhas são denominadas paralelos e meridianos.
    Os paralelos são linhas horizontais que circundam o planeta. O principal paralelo é o Equador, que divide a Terra em duas partes iguais chamadas de hemisférios: o Hemisfério Norte e o Hemisfério Sul.
Os paralelos são indicados em graus e determinados a partir do Equador (0º), podendo atingir o valor máximo de 90º ao norte ou a sul.
     Os principais paralelos recebem denominações específicas: Círculo Polar Ártico e Trópico de Câncer, no Hemisfério Norte; Círculo Polar Antártico e Trópico de Capricórnio no Hemisfério Sul.
     Os meridianos são linhas verticais traçadas do Pólo Norte ao Pólo Sul e também  são medidos em graus.
    Todos os meridianos são medidos a partir de Greenwich, que corresponde a 0º. Greenwich divide a Terra em dois hemisférios: o Hemisfério Leste ou Oriental, e o Hemisfério Oeste ou Ocidental.
     Os meridianos têm o valor máximo de 180º no Hemisfério Leste e 180º no Hemisfério Oeste.


A latitude e a longitude

    A latitude é a distancia em graus de qualquer ponto da superfície terrestre, até a linha do Equador.  Todos os lugares que estão sobre o mesmo paralelo tem a mesma latitude. As latitudes variam entre 0º na linha do Equador, e 90º, ao norte  ou ao sul desse paralelo.
   A longitude é a distancia em graus entre qualquer ponto da superfície terrestre, e o Meridiano de Greenwich. Todos os lugares situados sobre o mesmo meridiano tem a mesma longitude. As longitudes variam entre 0º, na linha de Greenwich, e 180º para leste ou oeste dessa linha.

Ilhas oceânicas e ilhas continentais...

     Ilhas são porções de terras emersas cercadas pelas águas de um oceano, mar, rio ou lago. Elas podem ser de pequenas ou grandes dimensões.
     As ilhas são continentais quando se localizam nas proximidades dos continentes. Em um passado bem remoto, elas fizeram parte do continente. Um exemplo no Brasil é a ilha de Santa Catarina, onde se localiza a cidade de Florianópolis.
     As ilhas são oceânicas quando não tem ligação com o continente. Há dois tipos de ilhas oceânicas: as coralígenas e as vulcânicas. As coralígenas se originaram do acumulo de corais sobre um vulcão ou pico submarino. As vulcânicas são formadas por erupções vulcânicas que ocorrem nos oceanos. As ilhas oceânicas localizam-se em alta maré fazem parte do relevo submarino.
     Arquipélago é um conjunto de ilhas próximas umas das outras, como por exemplo, o Arquipélago de Abrolhos, no litoral da Bahia, formado por cinco ilhas.Alguns arquipélagos podem incluir dezenas, centenas ou milhares de ilhas. O Japão, por exemplo, é um arquipélago formado por quatro ilhas grandes e cerca de três mil ilhas pequenas.

Fusos horários...

       Por que estudar Fusos Horários?  Porque a hora não é a mesma em todos os lugares do mundo. Na Copa do Mundo de Futebol de 2006 os jogos aconteciam na Alemanha em um horário, sendo assistidos em tempo real no Brasil em outro horário. Quando são 9 horas da manhã em Brasília, são 21 horas em Tóquio, no Japão.
       Por quê? Isso acontece porque a definição do tempo esta relacionado com o movimento de rotação da Terra e o movimento aparente do sol, enquanto uma região da Terra esta iluminada a região oposta esta na escuridão. Isto significa que estas regiões estão em diferentes fusos horários e o estudo deste tema permitirá a compreensão destes fenômenos.
       O que determina a mudança da hora no mundo são as linhas de fuso. Elas "fatiam" o globo verticalmente, em 24 faixas, que acompanham as linhas de meridiano. Foram definidos então 12 fusos a leste do fuso zero, para cada fuso soma-se 1 hora, e 12 fusos a oeste do fuso zero, para cada fuso subtrai-se 1 hora. 12 fusos a leste, somado com os 12 fusos a oeste, do fuso zero (Greenwich), totaliza 24 fusos. As faixas estão distribuídas em intervalos de aproximadamente 15º, que corresponde ao ângulo que a Terra gira em uma hora. O primeiro fuso da Terra e que serve de referência para todos os lugares é o do Meridiano de Greenwich (Londres). É a partir dele que sabemos que horas são, por exemplo, no Rio de Janeiro, em Paris ou em Pequim..
    É importante ressaltar que a rotação do planeta Terra ocorre de oeste para leste. Portanto, todas as localidades situadas a leste vêem o sol nascer primeiro. Pode-se concluir que essas localidades possuem a hora adiantada. Ex. O Japão esta situado 12 fusos a leste do Brasil, seus habitantes vêem o sol nascer primeiro do que nós. Quando são 14 horas de uma terça feira em São Paulo, significa que já serão 2 horas da madrugada de quarta feira em Tóquio.

Os fusos horários no Brasil

     O território brasileiro está localizado a oeste do Meridiano de Greenwich (fuso zero), abrangendo o fuso -2, fuso -3, fuso -4, isto quer dizer que em virtude da sua grande extensão territorial há sob o  território brasileiro (continental e oceânico) 3 fusos horários, com regiões apresentando desde 2 horas, até 4 horas de atraso em relação a Greenwich(fuso zero). Portanto todo horário sob território brasileiro é atrasado em relação a hora GMT ou UTC.

- 2 horas - Compreende as ilhas de Fernando de Noronha, Trindade, Martin Vaz, Penedos de São Pedro e São Paulo e o Atol das Rocas.

- 3 horas - Abrange todos os estados da região Nordeste, Sudeste, Sul, além do Distrito Federal, Goiás, Tocantins, Amapá e todo o estado do Pará (de acordo com a Lei N° 11.662, de 24/04/2008). Horário oficial brasileiro.

- 4 horas - Compreende os estados de Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, o Amazonas e todo o estado do Acre (também de acordo com a referida lei).

- 5 horas - ATENÇÃO: De acordo com a Lei N° 11.662, de 24/04/2008 que modifica a quantidade de fusos horários no Brasil, este fuso 5º deixa de existir.

Exercícios

1) (FUVEST-SP) - Em consequência da grande extensão territorial, da posição geográfica e da configuração  do seu território, o Brasil é abrangido por 3 ( três ) fusos horários ( observar o mapa ). Assim, quando em São Paulo forem 12 horas, em Manaus e São Luís serão respectivamente:
 a) 12 e 11 horas   b) 11 e 12 horas  c) 12 e 13 horas   d) 13 e 12 horas   e) 11 e 13 horas.

2) (UFV-MG) Um avião sai do Rio de Janeiro - 45°W, às 14 horas, com destino a Fernando de Noronha - 30°W. O Vôo é de 3 horas. Que horas serão na ilha quando esse avião aterrisar:
 a) 16 horas    b) 17 horas    c) 18 horas    d) 19 horas    e) 20 horas.

3) Em Londres, capital da Inglaterra, situada a 0° de longitude é meio dia ( 12 horas ). Em São Paulo que está a 45 graus de longitude ocidental são:

a) 3 horas da manhã      b) 3 horas da tarde      c) 9 horas da manhã      d) 9 horas da noite.

Espaço e Lugar...


Espaço

    A palavra espaço tem vários significados, dentre eles, o de conjunto de estrelas, planetas, satélites, cometas etc., ou seja, de um conjunto sideral.
Para a geografia, a palavra espaço refere-se ao que está sendo ou foi construído pelos seres humanos. O espaço geográfico é, portanto, a natureza transformada pelo trabalho dos seres humanos, um conjunto construído por diferentes paisagens.
    É valido lembrar que o principal agente transformador de espaço é o homem. A partir do momento em que ele passou a usar os recursos naturais para sua sobrevivência, começou a interferência humana na natureza. Sabemos que essa intervenção nem sempre respeitou o desequilíbrio do meio natural. À medida que a tecnologia humana foi se sofisticando, os impactos ambientais foram se intensificando.


Lugar

     “Todos nós temos o nosso lugar e sabemos onde ele fica. Sempre, desde que nascemos. Quantas vezes já lhe perguntaram: de onde você é? Você já sabe, é o lugar onde você nasceu. Foi (e será sempre) o seu primeiro lugar. Você pode morar a centenas de quilômetros daquele lugar. Mas ele está la, o seu lugar”.           (PRATA p.30, 2001)

    Pode-se dizer que lugar é uma porção ou parte do espaço onde vivemos em interação com uma paisagem e onde transcorre nosso dia-a-dia.
    Nossa casa, nossa rua, nossa escola, a casa de um amigo ou parente, o bairro, são exemplos de lugares com os quais criamos uma identidade, ou seja, que tem importância e significado para nós. Durante a nossa existência, podemos mudar de lugar várias vezes. Cada mudança exige que passemos por um processo de adaptação, sem, no entanto, perder nossa identidade, que se remota ao nosso lugar de origem.       

Exercícios

1)      Descreva seu espaço geográfico.

2)      Leia a reflexão abaixo e faça uma análise da mesma no mínimo 10 linhas e máximo 30.

       “O homem é ao mesmo tempo criatura e criador do meio ambiente. Que lhe dá sustento físico e lhe oferece a oportunidade de desenvolver-se intelectual, moral, social e espiritualmente. A longa e difícil evolução da raça humana no planeta levou-a a um estágio em que com o rápido progresso da ciência e da tecnologia, conquistou o poder de transformar de inúmeras maneiras e em escalas sem precedentes o meio ambiente. Natural ou criado pelo homem, é o meio ambiente essencial para o bem-estar e para o gozo dos direitos fundamentais, até mesmo o direito  a própria vida”.                          
                                                  Milton Santos

3)      Defina:
a)      Espaço geográfico
b)      Lugar

Introdução á geografia...


       Primitivamente a geografia era praticada como simples arte de descrever as paisagens observadas pelo homem, como sugere o próprio nome, oriundo do grego. GEO = Terra  + GRAFIA (Grafhein) = estudo, descrição.
      Embora os fatos observados apresentassem uma riqueza impressionante de detalhes, não se chegava à conclusão nenhuma.
     O próprio homem, porém, sentia como sente até hoje, a necessidade de provar, explicar, localizar, representar os fenômenos naturais que o cercam. Assim, numa preocupação constante de entender o que acontecia, ele chegou a conclusões tão importantes que transformou a geografia numa ciência.
   Essa transformação tornou-se mais visível a partir do século XIX, quando foram elaborados os “cinco princípios”, que consubstanciaram o que pode denominar Geografia Científica. Os princípios metodológicos da geografia são os seguintes:

a-      Principio da Extensão
Autor: Friedrich Ratzel  (1844-1904)
Todo fenômeno estudado deve ser delimitado, localizando-o na superfície terrestre. Para isso são necessários conhecimentos da cartografia.

b-     Princípio da Analogia
Autor: Carl Ritter (1779-1859) e Paul Vidal de La Blache (1845-1918)
Todo fenômeno ou área estudada deve ser comparada com outros fatos ou áreas já conhecidas, buscando semelhanças ou diferenças, retirando daí as leis da geografia geral.

c-      Princípio da Conexidade
Autor: Jean Brunhes (1869-1930)
Os fenômenos naturais não ocorrem isoladamente, mas interligados, sendo necessário identificar essas ligações.

d-     Princípio da Causalidade
Autor: Alexander Von Humboldt (1769-1859)
Deve-se estabelecer as causas de todo fenômeno, ao ser estudado; dizer o porque dos fato.

e-      Princípio da Atividade
Autor: Jean Brunhes
Os fenômenos naturais tem caráter dinâmico, mutável, o que significa que é preciso conhecer o passado, para entender o presente e prever o futuro.

CONCEITO

      Geografia é a ciência que estuda a distribuição, na superfície da Terra, dos fenômenos físicos, humanos e biológicos, as causas desta distribuição e as relações entre estes fenômenos.                                                                                                                                   Emmanuel de Marttonne.


Exercícios

1) Geografia é uma palavra originária da:
a) África                    b) Roma                          c) Grécia                        d) Austrália

2) As palavras de origem grega, "geo" e "grafhein" significam respectivamente:
a) geometria e escrever;           b) terra e escrever;          c) redonda e habitada;           d) ecologia e ciência.

3) São princípios metodológicos da geografia, exceto:
a) da Extensão   b) da Analogia    c) da Conexidade   d) da Causalidade   e) da Atividade  f) da Anatomia 

4) Pesquisa de campo:

a) O que é geografia?
b) Para que serve a geografia?
c) Em sua opinião ela está ligada a sua vida? Em que aspectos?

Idade: _____________   Escolaridade: __________________